domingo, 16 de agosto de 2015

O "CONSERVADORISMO" BRASILEIRO É HIPÓCRITA




A sociedade brasileira é “conservadora”. Sem dúvida essa é uma das mentiras mais “acreditadas” nos dias atuais. O tal “conservadorismo” que tanta se apregoa é apenas no que diz respeito a “moral” religiosa e aparece por causa dos tais beijos gays nas novelas da rede globo.  Deixa eu colocar umas coisinhas aqui...

Antes de tudo quero me posicionar sobre o homossexualismo: Sou cristão, adoto a Bíblia como regra de fé e prática. Entendo com base na minha crença que a escolha por pessoas do mesmo sexo é desagradável a Deus, por tanto é pecado. Percebam, EU sou cristão, EU me pauto pelas Escrituras (tento, porque na boa, cometo outros pecados terríveis, até porque todo pecado é terrível), EU e não o meu vizinho que escolheu outra fé, ou não fé e que pauta sua vida de acordo com essas escolhas. Sempre que falar de pecado, estou tratando na perspectiva bíblico-cristã. Isso significa que você tem o direito de discordar, sem com isso ser meu inimigo. Dito isto, vamos lá...

Não gosto de novelas, exceto os primeiros e últimos capítulos (afinal de contas os enredos desembocam sempre nos finais clichês). Mas nos últimos dias tenho ouvido tanto e lido tanta coisa nas redes sociais sobre “Verdades Secretas” que fui conferir. Pois bem, vi uns dois capítulos e foi o suficiente para reforçar o meu pensamento sobre a hipócrita sociedade cristã “conservadora” desse país.

A sociedade que se opõe, grita, faz boicote, chora, clama pelo raio destruidor, pelo mármore do inferno aos autores, diretores e atores que escrevem, dirigem e participam das cenas é a mesma que fica muda diante das práticas igualmente pecaminosas do adultério, traição, prostituição, mentira, tramas homicidas e de tantas outras expostas na novela das onze e nas outras também.

Gostaria de entender porque os paladinos da santidade não fizeram campanha para boicotar a emissora em virtude das cenas de sexo com uma personagem menor de idade ou quando a novela desandou ainda mais e a “menina” foi “saboreada” pelo padrasto enquanto a mãe dormia. 

O “conservadorismo” cristão brasileiro é hipócrita, age por conveniência, é manco em suas pelejas, é frágil e não tem raízes na Palavra, mas no tradicionalismo enfadonho e inoperante. Na verdade, ele nada mais é que um conjunto de normas sem graça, sem amor e com conhecimento superficial da Lei de Deus. Isso mesmo, estou dizendo com tranquilidade que esse “conservadorismo” da metralhadora verbal disparada contra uma escolha sexual não representa o que de fato a Escritura ensina sobre combate ao pecado.

Todo pecado é condenável e condenado na Escritura. Nesse sentido a pregação é generalizadora. Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Romanos 3.10). Todos e não apenas os homossexuais. Os adúlteros, os idólatras, os vendilhões da fé, os líderes opressores, os pedófilos, os das pequenas mentiras, os dos pecadinhos. 
TODOS! TODOS NÓS MESMO!

Claro que o tal combate nalguns momentos precisar deixar claro que algumas práticas e escolhas são pecaminosas aos olhos do Deus da nossa fé. Mas quando simplesmente resolvemos atacar insistentemente uma única coisa, conseguimos atrair antipatia aos nossos discursos e simpatia àquilo que denunciamos.

Lembro que nos anos 90 minha mãe queria proibir a gente de ver a novela VAMP porque o Papa João Paulo II supostamente teria dito que a peça era diabólica (nunca vi nenhuma declaração dele sobre o assunto).  Agora os “vampiros” são os gays. Já as adolescentes transantes, os padrastos garanhões, os homicidas legais, os adúlteros, ardilosos, mentirosos e manipuladores são anjos das mais santas cúpulas celestiais. Né?

Falar sobre os beijos gays dá “ibope” aos pregadores, aos “paladinos da justiça”. Bora descer o cacete na pedofilia? Na comercialização da fé? Nas falsas unções? Na politicagem eclesiástica?  Na venda de voto das igrejas que são tradas como currais pelos líderes bandidos? Vamos oca de Deus mesmo ou ficar com essa hipocrisia pra “tradicionalista” ver?

O “conservadorismo” cristão” brasileiro é hipócrita e abre mão de ser boca de Deus; resolve ser nada mais que um movimento tagarela, preconceituoso, incoerente, insensível e vil. É urgente mudar de postura, aprender com Jesus diante das adúlteras (João 4 e 8), e de Zaqueu (Lucas 19). É necessário entender que pregar contra o pecado não é um ataque pessoal, de humilhação e preconceito. 

E só pra constar: os mais “atacados” nos discursos de Jesus (Se querem nivelar) foram os “conservadores” sem amor (dá uma lida em Matheus 23).

Ah! Antes que esqueça. Esse “conservadorismo” é “falsiê”, é “made in paraguay”. É mentiroso. Ele não é resultado de intimidade com a Escritura. Nada tem a ver com o conservadorismo que de fato se apega às verdades da Palavra! NADA!

 MINHA CONVICÇÃO E COMPROMISSO

Sou pecador miserável, nasci em condenação ao inferno, fui solapado pelo Cristo da Cruz. Sou perdoado e tento existir para glória d’Ele. Vivo a constante luta entre o que Ele quer de mim e o que minha vontade pecaminosa quer. Peco, desagrado a Deus, despedaço-me em arrependimento e vergonha pelo que sou, mas encho-me de alegria pela convicção de que Aquele que começou a boa obra irá completa-la até o Dia.

Essa convicção faz com que queira ser de fato voz profética e falar contra o PECADO, mas não me dar o direito de escolher “inimigos”, pecados especiais ou de taxar pessoas de mais merecedoras do inferno ou do perdão (até porque ninguém merece o perdão, se o merecesse, seria recompensa). Não posso ser um “porra louca gospel”. Meu desafio é anunciar todo desígnio de Deus e pregar o Reino de Deus que já chegou em Cristo.
É preciso amar as pessoas como a mim mesmo. Ele mandou! O desafio é terrível, mas está posto.





Caco Pereira
Continuando em fuga!

5 comentários:

Douglas Junior disse...

Perfeito!!! Estou cansado dessa geração "politicamente correta", onde toda e qualquer coisa "fora dos padrões" é motivo de vc ser apedrejado... Só vejo falsidades por partes dessas pessoas!!

Ozinaldo Morais disse...

O lugar de encontro dos "iguais" está ficando "vazio" por causa dos "chicotes dos hipocritas".

Pr.Herberte Henrique disse...


Primeiro: É interessante ver a postura ousada de expor a opinião, precisamos mesmo disso.

Segundo: Fato é que a maioria das pessoas acabam falando mais sobre um assunto do que outros, nesse caso o homossexualismo.
Eu não acredito que a sociedade tenha um conservadorismo hipócrita, eu acredito mas em um discurso de aceitação hipócrita que diz que entende e aceita cada escolha, mas quando fecha as portas diz para o filho: os outros de fora pode mas você não meu filho.
Acredito sim que devemos manter o mesmo foco no atual problema da sociedade e que muitos querem fazer descer de guela abaixo que é o homossexualismo, mas que devemos trazer ao foco os demais aspectos que falastes, no entanto a sociedade hoje pede uma resposta quanto o assunto e se torna muito difícil falar de tal pecado sem ser taxado de preconceituoso, isso porque é uma estratégia acusar dessa forma quem se coloca numa postura diferente.
Não estou em defesa de pessoas, mas abordando outra perspectiva, quem denuncia uma coisa acaba denunciando outros erros também.
Paulo fala de mudar a glória de Deus e de buscar desejos que agrade o coração entenebrecido e começa a mostrar as consequências desastrosas do pecado e começa com a homossexualidade e fala igualando os demais pecados, hoje ele seria taxado de muitas coisas por ter começado com o homossexualismo.
Mas eu etendo sua crítica, que é justamente abordar uma e não as outras.
Valeu.

Isaac Marinho disse...

O pecado mais terrível, mais digno de reprovação e que mais ultraja a glória de Deus, geralmente, é o do próximo. Coincidência?

Douglas dos Santos Gomes disse...

Gostei de sua análise. Saudável e desafiadora. Eu só não saberia dizer ao certo se o fato do assunto do momento ser o combate a homossexualidade( e infelizmente as vezes ao homossexual) se daria por causa de vozes influentes do meio religioso (o Malafaia por exemplo, que arrebata corações fervorosos e mentes preguiçosas), da noção equivocada de que o pecado da homossexualidade é mais terrível que todos os outros (geralmente o meu) ou ocorre devido a uma legítima reação diante de uma militância que deseja impor a todos como normal seu padrão(pecaminoso) de sexualidade. Acredito que seja uma mistura desses e outros tantos fatores. Não descarto a hipocrisia e o preconceito, mas desconfio que os últimos embates ocorridos sobre essa tal moralidade serviram para extirpar de vez certas programações da vida de muitas famílias brasileiras, sejam elas intituladas cristãs ou não.