sábado, 22 de agosto de 2015

NÃO CONTINUAREI...


Postei esse texto em 2013. Era uma decisão de ministério. Tornou-se mais que isso. Agora é escolha de vida.


Sou pastor presbiteriano desde 03 de fevereiro de 2007. Amo o que faço. Tenho plena convicção de que o faço por vocação. Não sou dominador do rebanho (ao menos tento não ser), não pastoreio por constrangimento ou por sórdida ganância. AMO GENTE! AMO CUIDAR! AMO O REBANHO DO SENHOR. Mas estou decidido! NÃO SEREI MAIS PASTOR. Eis meus motivos:

1. NÃO CONTINUAREI SENDO PASTOR SE não puder ser um humano normal (ou não), frágil, limitado, com vontades, preferências. Quero ter o direito de chorar, de sorrir, de gritar, de torcer pelo meu time de futebol e de "tirar onda" com meus amigos quando meu time vencer.
Estou farto desse estereótipo de PASTOR PERFEITO, IMPECÁVEL, INFALÍVEL. Sou gente, sou carne, sou pecador... 

2. NÃO CONTINUAREI SENDO PASTOR SE não tiver respeitado o meu insano direito de não ser igual, normal, a mesma coisa, o de sempre... NÃO SOU ISSO.
Quero poder ser o contraponto, o contraditório, paradoxal! Deixem-me ser apenas Caco, um trapo de pecado, cristão transformado, pecador regenerado, santo em construção. Tudo isso antes de receber do Senhor a "comissão".
Não sou e não serei o que um sistema dogmático apartado da Escritura quer que eu seja. Não peçam para que eu caiba numa “caixa”, não me peçam para ser medido por qualquer outra REGRA que não seja ESCRITURA. 

3. NÃO CONTINUAREI SENDO PASTOR SE continuarem esperando que eu seja uma espécie de gerente gospel de clubes religiosos. SOU PASTOR DO REBANHO DO SENHOR E NÃO ADMINISTRADOR DE UMA EMPRESA DA FÉ. Se tivesse optado pela segunda opção estaria na IURD, na Mundial ou noutras bodegas da fé.

4. NÃO CONTINUAREI SENDO PASTOR SE não tiver respeitado o meu direito ter amigos/amigas e amá-los sejam eles quem forem. Odeio essa coisa asquerosa que muitos religiosos fazem nivelando as pessoas de acordo com seus sórdidos critérios.

Quase por fim...

5. NÃO CONTINUAREI SENDO PASTOR SE não puder abraçar e cuidar de TODAS as pessoas (sejam elas homens, mulheres, crianças, pretas, brancas, amarelas, índias, pardas, gays, héteros) que Deus puser sob meus cuidados.
Estou farto dessa coisa vil que os homens criaram para DELIMITAR UMA ESFERA PARA MEU PASTOREIO.
Amo o Rebanho de Cristo e amo o Cristo do Rebanho. E quero ser pastor cuidador, zeloso, chato, bravo, amigo, pai, irmão, parceiro. Por favor, me deixem pastorear!

AGORA POR FIM MESMO...

NÃO CONTINUAREI SENDO PASTOR apenas SE o Senhor tirar de mim o amor, o prazer o desejo de amar gente, gente que nem sempre me ama, que na maioria das vezes não retribui, não reconhece, não honra. Mas quem disse que busco isso? A GRAÇA JÁ me SOLAPOU. Então tá valendo amar em resposta ao AMOR!

Então, NÃO SEREI PASTOR apenas de quem o Senhor não puser sob meu pastoreio.

Um abraço,

 Caco
o pastor!

2 comentários:

Jose Carlos Carneiro de Mendonca disse...

Por favor continue sendo Pastor

Douglas dos Santos Gomes disse...

É profundamente desumano negar ao obreiro o direito dele ser simplesmente um ser humano.