sexta-feira, 15 de junho de 2012

COMO É BOM AMAR A CRUZ DE CRISTO


Hoje tive um diz exaustivo, chato, maçante e extremamente entediante. A noite que parecia trazer calmaria foi tensa e angustiante.  MAS (adoro poder usar essa expressão nessas circunstâncias) Deus sendo rico em misericórdia e em bondade como É, deu-me o privilégio de no meio de um dia ruim, conversar um pouco com alguém trouxe refrigério para a mente desse Caco que anda meio aos cacos. 
Papo vai, papo vem com um mano “bão” de compartilhar fé, e pude trazer a mente uma verdade que as vezes parece adormecer: Como é bom amar a Cruz de Cristo. Fiz o Café, Papo & Fato hoje pensando nisso. Estive triste agora no início da noite, mas essa certeza aqueceu meu coração e traz paz à minh’alma hoje.
Como é bom amar a Cruz de Cristo. Esse amor ao Cristo que se deu na cruz deveria mover a Igreja em todas as suas escolhas e posturas.  Dizer-se cristão só pode ser válido se houver um profundo amor e um indescritível sentimento da mais profunda gratidão ao Cordeiro que padeceu na cruz por amor incondicional.
Acredito que a igreja precisa aprender a ser Igreja e que isso só acontecerá quando de uma vez por todas, tirar Cristo da margem e colocá-lo no trono sobre o qual os homens estão sentados. E isso não acontece sem a “loucura da cruz”. Não ocorre sem que o ego humano seja completamente quebrado, abatido, derrubado.
Essa é uma tarefa para loucos, para malucos de boa cabeça. Para homens e mulheres que estejam dispostos a realmente abrir mão do “status” eclesiástico, das honras, aplausos, do besteirol da gospelândia ou da arrogância ortodoxa, desprovida de ortopraxia. E sem amor a cruz nenhum homem conseguirá ser louco de boa cabeça.
Apenas pessoas que de fato amam a cruz de Cristo, se movem, respiram e adoram mediante o amor que emana do Cordeiro vivo e ressurreto são capazes de mudar a história (veja Hebreus 11). Isso acontece pelo simples fato de que só a cruz gera esperança e esperança é uma verdade que molda o caráter. Só a loucura da cruz poderia transformar Paulo de Tarso, o arrogante oficial romano em “louco desbravador” por amor a Cristo. Apenas a louca esperança advinda da cruz poderia fazer Estevão com intrepidez desafiar os principais doutores da Lei e morrer apedrejado contemplando os céus se abrindo para recebê-lo.
                Como é bom amar a Cruz de Cristo. Essa constatação deve ser também um desafio para nossa geração. Amar Jesus e sua mensagem inevitavelmente vai nos transformar em agentes de mudança em todos os aspectos imagináveis. O mais profundo zelo pela Igreja de Deus surge em virtude da convicção de que somos lavados pelo sangue derramado na cruz. O mais intenso desejo de ver pessoas quebrantadas pelo impacto da “loucura da cruz” deve nos mover como embaixadores de Cristo, constrangidos pelo poder do seu amor, em direção a um mundo que agora carece de ouvir que em Cristo há perdão para todos aqueles que diante da loucura da cruz se fizerem loucos aos homens.
                Amar a cruz de Cristo faz um dia ruim acabar com lágrimas, adoração e contemplação ao imenso amor do Cordeiro que simplesmente amou.
                Que Deus nos ensine a olhar para a cruz.
                Um abraço carinhoso


Caco Pereira

3 comentários:

BOSCO disse...

A ênfase na pregação de Cristo crucificado é imperativo, pois nisso consiste a nossa Salvação, na verdade, pregar o Evangelho é apontar Jesus Cristo crucificado e ressuscitado como Senhor absoluto do Universo.
"Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;" (Rm 6:5)

Pregar a verdade que liberta é proclamar a morte e ressurreição de Cristo e a nossa morte em Cristo e a ressurreição com Cristo.

Omitir isso é negar a Cristo, por isso a igreja atual esta passando por um sério problema, por não enfatizar a mensagem da Cruz.

Este mesmo erro já foi cometido e esta registrado no livro de Atos, no aparente fracasso de Paulo em Atenas, no qual ele foi ao Areópago e não foi enfático na sua exposição, quando tratou da ressurreição sem antes nada falar da morte, da cruz.
Mas tomou uma decisão rigorosa em Corinto, que mudaria por completo todo o seu esquema de pregação.
"Porque decidi nada saber entre vós, a não ser a Jesus Cristo e este crucificado." (1Co 2:2)

Focalizar Cristo crucificado e ressurreto é a razão fundamental da mensagem do Evangelho, pois é pela morte e ressurreição de Cristo que nós somos tratados profundamente, Salvos.

O inferno coloca todas suas forças contra tudo que venha enfocar e ressaltar a Cruz de Cristo, porque esta mensagem ataca frontalmente todos os interesses perversos, que se fundem na fachada da religiosidade hipócrita. Os inimigos da cruz de Cristo tentam por todos os meios ocultar a cruz, com a sua pregação humanista. A tática mais elaborada desta estratégia é diluir o escândalo da cruz na solução humanista que objetiva anular o seu valor.

"Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos." (1Co 1:22 e 23)

Glórias sejam dadas ao cordeiro, graça e paz.

JB

Jannayna Rezende disse...

O Amar a Cruz está se distanciando do verdadeiro sentido, do foco real, da medida depositada as igrejas pelos seus líderes. Infelizmente me entristeço com o que nossa Igreja está se tornando, uma comercialização banal da Palavra de Deus, onde homens dizendo que vem da parte de Deus, falando o que pessoas ( que realmente precisam do verdadeiro evangelho) querem ouvir nesse determinado momento. Aonde iremos chegar? Se tudo isso não mudar? Temo a mão de Deus, sobre tudo isso, mesmo com toda sua misericórdia e bondade, essas coisas aborrecem ao Senhor,posso dizer por mim, mais estou decepicionada com muitos líderes, que se dizem líderes, mais não passam de um sepulcro caiado. Pra que tanta leitura e "sabedoria" se não colocam isso em prática? Sei que tudo começa por nós, e sei que o Deus que eu sou serva, me ama e irá fazer com que tudo copere para o seu bem, e que não seja da vontade do homem e sim a vontade do Senhor. Que possamos sentir mais o falar do Senhor, que possamos ser como crianças, sensíveis e dependentes do Deus altíssimo, pois ele nunca esquece dos seus filhos. Abraço Pastor, amei o seu texto.

Daniel disse...

Amar a cruz de Cristo. E amando a cruz de Cristo deve se tomar a sua própria cruz. Dizer que isto, não é verdade, é faz como Pedro que negou Jesus... Mas, com sua infinita graça e misericórdia, nos chama a cada dia, a reconhecermos que nada somos, sem... A cruz.
Deus continue te abençoando Reverendo.