quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O Senhor Não é o Capitão Planeta




O Nosso Senhor é Deus de “coisas pequenas”. Talvez essa frase lhe pareça estranha, mas em tempos de extraordinários, de milagres, curas, explosões de poder é preciso salientar uma verdade tão esquecida. O SENHOR DEUS AGE EM TUDO, NÃO APENAS NO QUE PARECE ASSOMBRSO.
Diariamente vejo meu facebook; algumas vezes me sinto torturado com a neopentecostalização das redes sociais. O problema é que a maioria dos meus contatos não é neopentecostal. Meus amigos são em sua maior parte membros de igrejas mais “equilibradas”. Mas vejo postagens estranhas nalguns momentos. Leio todo dia frases, links e imagens de um “deus extravagante”. O Senhor é quase um “Capitão Planeta” que surge quando as coisas estão fora do controle. Ele vem, resolve tudo e vai embora. Antes grita: “o poder está em vocês”.
Creio no Deus Soberano Poderoso! Tenho plena convicção de que, como disse Jó, o Senhor tudo pode e nenhum dos seus planos pode ser frustrado.  O problema está no exagero do extraordinário. Parece que só é Deus se agir com “extravagância”. É como se Ele fosse o que faz. O Criador é transformado numa espécie de VENDAVAL DE MILAGRES, PODERES, CURAS  E TODA ESSA COISA ESTRANHA. Deus vira um FRANKENSTEIN GOSPEL.
Isso é visto nos nomes esquisitos de igrejas, nas músicas triunfalistas, nas curas, milagres, sessões de descarrego e desemcapetamentos, línguas, pulos, campanhas que em sua maioria esmagadora só transformam a igreja em “terreiros de macumba gospel”.

Embora esteja convicto de que Deus age poderosamente, quero lhe convidar a perceber que ELE é o Senhor independente de “grandes coisas”. Age sim quando as coisas não são impossíveis; está no controle quando tudo parece descontrolado. Ele ainda é Deus quando servos não são curados e morrem de câncer. Sua soberania não está ameaçada  quando não há explosões de glória, quando o mar não é aberto, quando mortos não ressuscitam, quando tudo dá errado. O profeta Habacuque percebeu isto (Habacuque 3.17-19).

Ele continua sendo Deus quando a brisa é leve, quando o mar está calmo, quando não há perseguições... Precisamos parar com esse “sensacionalismo gospel”. É necessário perceber a ação do Senhor em meio a quietude de uma manhã suave da mesma forma que é possível percebê-lo na noite sombria. Davi soube muito bem ver a glória de Deus ao contemplar a obra da criação e o adorou na “simplicidade”.

Devemos adorá-lo quando alguém é curado de um mal “incurável”, mas também quando um servo morre sem cura. Devemos amá-lo e honrá-lo quando “alcançamos a bênção” ou quando não a podemos perceber. O Senhor é Deus em toda e qualquer circunstância e deve ser adorado diariamente pelo grande milagre de transformar pecadores miseráveis em adoradores dependentes.

Deus nos cuide!
E lembrem-se: O poder NÃO está em vocês! (Jó 42)


5 comentários:

Julyanne Rezende disse...

Muito bom o texto ...
Que o Senhor tenha misericórdia de nós!
Abração Caco
;*

Betel Brasileiro Seixas disse...

A cada dias as pessoas estão procurando benção ao invés de obedecer, por isso mais se fala em milagres do que em santidade. Ainda assim, esquecem que Deus muda uma história, até mesmo um nome, a pessoa deixa de ser chamado Jacó e passa a ser Israel, mas para isso ao invés de contemplar com um grande cura tocou-lhe a coxa.
A única forma de combater todo esse mau do neo pentecostalismo é tendo coragem para pregar, escrever, ter as convicções corretas expostas sem medo de represália, assim como você (da sua maneira) faz.
Ainda que a figueira não floresça e não haja fruto na vide não deixe de anuncia o verdadeiro evangelho de forma simples
Deus nos ajude!
Um abraço mano

Robinson disse...

Do ponto de vista teológico, há uma deficiência na compreensão da doutrina da providência.
Do ponto de vista meramente religioso, há uma batalha pelos consumidores no mercado.
Do ponto de vista psicológico, há uma necessidade humanista de independência em relação a qualquer outro que não seja o próprio eu.
Enfim, é um fenômeno complexo, multidimensional que não tende a se arrefecer, mas a intensificar-se.
A questão é: que resposta teológica e missional a Igreja Protestante histórica oferece? De que maneira é possível fazer uma apologética intramuros, a partir de uma perspectiva realmente baseada no evangelho de Jesus.

Rev. jailson disse...

Olá Pr.Ricardo. Seu texto é contemporâneo, divertido de ler e nos faz observar o quanto caminhamos as margens de compreensão teológica sadia. Mas, ao contrário são heresias que circulam desde os primórdios dos patriarcas, e que, nos nossos dias, tomam outra roupagem. Mas a avareza e a sede pelo pode é o mesmo. Confesso que tenho saudades de ler artigos e ouvir sermões onde Deus é exaltado, onde o homem quebrantado pela ação do Espírito e confrontado pelo mesmo. Deus o guarde.

Marcos Ramos disse...

É imensamente assustador pensar que tantos levam sua vida espiritual na brincadeira. Que Deus tenha piedade de suas almas. Porque sua morte será terrível para eles.
Deus quer ter o primeiro lugar. Quem não lhe dá a prioridade, não o ama sobre todas as coisas, não pode ter esperanças. E que Deus abençoe em sua graça todos os que lhe são fiéis.
Jesus disse claramente que “quem é de Deus ouve a Palavra de Deus”. E com muita severidade advertiu: “Por isso não me dais ouvidos, por que não sois de Deus”. Ouvir quer dizer: ouvir nos cultos e em casa e praticar. A Bíblia adverte: “Não sejais apenas ouvintes da Palavra, mas praticantes”. Que isso seja refletido bem. Parabéns ao escritor do texto.