sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

AVALIANDO NOSSOS CONCEITOS - 2ª Parte




Qual o conceito que temos dos outros membros do corpo? vs. 4,5


Comecei falando sobre a necessidade de uma avaliação correta de nós mesmos. Hoje gostaria de lhe convidar a refletir sobre a forma como você tem visto seus irmãos.


Quando formos capazes de reconhecer que somos pecadores miseráveis, mas que fomos dignificados pelo Senhor, que recebemos graça, misericórdia; quando entendermos que não éramos povo, mas fomos feito povo de Deus e isso mudar nossa visão de acerca de nós mesmos, veremos os outros com olhar correto, passaremos a perceber que dependemos mutuamente daqueles que também foram alacançados pela graça, pois na verdade somos pedras do mesmo edifício, a Igreja, o corpo cujo Cabeça é Jesus Cristo.

Queridos, existe A IGREJA de Cristo,e não as igrejas. Somos o único corpo do Deus Trino. Por mais que haja incompatibilidade, divergências, estilos... por mais que discordemos em muitas coisas, eu e você precisamos entender que somos todos membros de um único corpo, a IGREJA DE JESUS CRISTO.

Escrevendo aos Coríntios (1Co 12.12-31) Paulo acrescenta que TODOS (referindo-se sempre aos que confessaram Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas) fomos batizados num só Espírito. E ele não está falando aqui no derramar de água sobre a cabeça, mas no invadir do Espírito Santo de Deus. Quando alguém recebe Cristo como Senhor o Espírito que lhe abriu o coração inunda e passa a habitar em seu ser. Deixe lhe dizer uma coisa meu querido, minha querida. O Espírito não habita mais ou menos no irmão mais pobre do que em você; Ele não tem preferência pelos mais intelectuais, universitários, pelos teólogos ou pelos mais ignorantes. Ele habita em todos aqueles que se renderem diante de Cristo. E TODOS, por mais diferentes que sejam, são adotados, tornam-se herdeiros das promessas de Deus e passam a ser pedras que vivem, partes do mesmo edifício espiritual (1Pe 2.4-10), da Igreja, o CORPO DE CRISTO.

Paulo diz que há entre mim e você meu irmão, minha irmã, uma espécie de união mútua, uma ligação contínua e constante. Em Cristo, e por meio dEle, nós somos invariavelmente UNIDOS. Por isso outras versões traduzem essa passagem dizendo que somos membros uns dos outros. Essa ligação individual só é real na vida daqueles que de fato são membros de Cristo “Vocês não sabem que seus corpos são membros de Cristo?”. Queridos, se não andamos como irmãos, não poderemos chamar Deus de nosso Pai. Se dissermos que amamos a Deus, mas não amarmos os nossos irmãos, somos mentirosos!

Olhe para a Igreja Primitiva. Veja o que Lucas registrou no livro de Atos sobre a consciência de unidade que era aplicada como estilo de vida pelos crentes: “42Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. 43 Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. 44 Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. 45 Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. 46 Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, 47 louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos”.

Meus irmãos e amigos queridos, quando nos despojarmos da soberba, da arrogância, do egoísmos que constantemente perseguem o povo de Deus, estaremos andando em maior comunhão, seremos capazes de chorar com o sofrimento do irmão, de nos alegrarmos com suas alegrias!

Há uma música antiga que diz que é doce a comunhão dos remidos do Senhor! Na carta aos efésios lemos que devemos ser completamente humildes e dóceis, pacientes, suportando uns aos outros com amor! Se não houver amor em nossas relações não estaremos sendo cristãos.

De que forma essa palavra pode edificar sua vida? Como você tem visto o irmão que senta dos eu lado toda semana? Tiago nos chama ao amor vivenciado no dia-a-dia. Quero lhe dizer que se você mudar seus conceitos acerca do relacionamento com outros amados irmãos, isso poderá mudar sua vida de forma completa.

Vou fazer um desafio... Quero lhe convidar a olhar para seu irmão como alguém com quem você tem uma ligação indissolúvel, alguém com quem você habitará eternamente.

Viva uma comunhão preciosa com o outro!

Xau e bênça!

5 comentários:

Hugo Bento disse...

bom, muito bom mesmo.
Concordo plenamente com tudo o que você disse nesse post, parceiro. Acho que se nós parássemos de criticar e julgar e começássemos a olhar para os nossos amigos, irmãos e familiares com olhos de amor e de compaixão, viveríamos de bem e diminuiríamos, certamente, muitos conflitos que as vezes são causados por pura falta de ética para consigo mesmo.

Um forte abraço, parceiro.

Francisco Erivan disse...

Muuuuiiiitoooo Booommm
Cáco gostei muito deste post, pois poucos tem coragem de falar de suas falhas, preferem serem criticos de outros, mais qdo fazermos está auto-critica com amor somos ricamente abençoados.
Gostaria d sua permeissão para usar esta material na devocional do nosso boletim esta semana.
No amor de Cristo Jesus

Renato Cunha disse...

Caco, meu carissimo amigo,
Seu post além de ser bem escrito, revela acuidade na abordagem de um problema sério na Igreja hodierna: o sectarismo. Impossível lê-lo sem nos ocorreu o texto de Mc 9.38-40.

Nós nos fechamos em guetos, e nos esquecemos que compomos um grande corpo; um grande organismo vivo. Isto sem falar no comportamento medonho quando nos relacionamos com outras "denominações", que me pareceu ser a tônica de sua denúncia. Não conseguimos (falo no geral) conviver com os outros por que não temos consciência do vínculo que nos une como cristãos, daquilo que nos distingue como sociedade singular.

Mas, a despeito do quadro nada animador, eu tenho esperança em dias melhores. Não por ser pós-milenista (risos), mas por entender que a Verdade sempre prevaleceu e prevalecerá. Cabe-nos orar e agir no sentido de buscar uma Igreja coesa no enfrentamento das questões do mundo, irmanados na pregação do Evangelho.

Um forte abraço.

LÚCIA disse...

Gostei muito das colocações aqui abordadas pelo pastor Caco. Uma coisa interessante que acho que cabe é o fato de construirmos modelos fixos de cristãos, de crentes, de pessoas. Esses modelos os quais nos agarramos faz com que nosso olhar se encha de preconceito para com o diferente. Portanto, quando criamos um modelo de Pastor, de esposa de pastor, de presbítero, de diácono, de membro de igreja no geral. Quando nos deparamos com alguém que foge esta determinação nossa e não da palavra, vale salientar, damos lugar a uma infinidade de pensamentos e sentimentos que nos levam muitas vezes a cometer enganos e injustiças com nossos irmãos. Precisamos compreender que o nosso Deus nos criou como seres únicos e para cada um de nós Ele arquitetou algo. Além do mais possuímos um código genético e cerca de 100 bilhões de neurônios que fazem infinitas conexões sinápticas as quais determinam uma subjetividade incomparável, inigualável. Assim, não se pode querer que sejamos iguais, que todos reajam igualmente aos estímulos ambientais. Enfim...se compreendêssemos que somos diferentes ( uns possuem ministério de oração, outros do louvor, outros da palavra, outros visitação, etc,) e que precisamos uns dos outros para nos completarmos já que cada um de nós possui sua função ( para sermos um corpo saudável ) certamente nossas igrejas seriam mais fortes e, certamente, teríamos alcançados mais vidas, bem como teríamos muitos mais bênçãos para contar.

ygor disse...

Pr. Caco

Parabéns pelo texto, essa pespectiva sobre a unidade da Igreja é maravilhosa, é empolgante. Num contexto atual, onde é fato que a Igreja Evangélica, mesmo aquela que podemos considerar genuina, apresenta tantas nuanças e visões diferentes acerca dos mais variados aspectos, entender que aquilo que nos faz um é bem maior do que o que nos faz diferentes é fundamental. Também achei muito oportuna a iniciativa de começar a avaliar os nossos conceitos fazendo uma autoavaliação, pois acredito que precisamos saber quem nós somos e onde estão firmadas as nossas raizes no corpo para termos condições de respeitar, interagir e acima de tudo amar os demais membros que participam dele conosco. Parabéns caba, esse é mais um principio que vou levar para meu exame (hehehehe), mas principalmente para minha vida.

Deus te abençoe
Xau e Benção :)