sexta-feira, 25 de julho de 2008

O que Acontece Com os Cheios do Espírito?

A pergunta do nosso enunciado tem, na verdade, o objetivo de saber se o enchimento do Espírito tem de alguma forma influência nas obras praticadas pelos crentes; se tem, como isso se dá? Em que medida? Mas antes de tentar responder isto precisamos definir “estar cheios do Espírito”
A palavra traduzida por enchei transmite a idéia de controle; ela está no passivo, na verdade, seria mais bem traduzida por “ser cheio”, mas está num modo permissivo; então, uma tradução mais acertada seria: “vocês devem constante e continuamente, deixar que o Espírito de Deus tome conta de suas vidas (Rienecker, Rogers, Chave Lingüística do Novo Testamento). O que podemos concluir dessa breve análise é que ser cheio do Espírito é voluntariamente ser dominado, dirigido por ele.
Lloyd Jones diz sobre o enchimento do Espírito, que ele faz com que o santo deseje dar de si, ampliar as fronteiras do reino de Deus, para que outras pessoas venham a desfrutar com ele do privilégio de ser dominado pelo Espírito. A alegria existe de forma indubitável, indizível, veramente através dessa ação do Deus, Espírito Santo. Ele acrescenta que somente por meio desse enchimento é que o santo pode experimentar uma vida de entusiasmo constante (D. M. Lloyd Jones, Vida no Espírito. PES).
Sob influência do Espírito, o cristão não perde o controle, mas ganha. Stott traça quatro conseqüências imediatas desse enchimento prescrito por Paulo. Inicialmente, tal processo proporciona a comunhão com os irmãos (19a); em seguida o desejo de adorar (19b) é outra conseqüência do ser dominado; a terceira bênção proporcionada pelo enchimento é a gratidão (20); o crente cheio do Espírito vive em ações de graças; por fim, a submissão (21) é a última das ocorrências imediatas ao ser tomado pelo Espírito (John Stott, A Mensagem de Efésios).
O Espírito dá a pecadores miseráveis uma nova natureza, uma nova mente, um novo tudo! Ele promove a santificação, ele domina inteiramente a vida daqueles a quem guia e que andam n’Ele. Ao serem governados pelo Espírito, os homens são capacitados a viver de modo digno do Senhor Deus, a viver de acordo com aquilo para o qual eles foram criados, a glória de Deus.
O grande princípio a ser percebido no que diz respeito à ordem de Paulo é que, quando a Igreja busca o enchimento do Espírito, ocorre avivamento, e isso produz transformação de vida, mudança social, não conformação com o curso desvairado desse século. Por isso é dito que não há outra maneira de viver a vida cristã de forma a realizar aquilo que o Senhor quer, senão pelo enchimento do Espírito.
J. I. Packer diz que somos ativados pelo Espírito, em todo serviço que prestamos aos outros, desde as formas mais simples de ajuda prática, ao aconselhamento espiritual mais delicado, e às exortações mais diretas para abandono do pecado. É o poder do Espírito que gera toda generosidade das boas obras no coração do cristão (Packer. A Redescoberta da Santidade. Ao conduzir um homem a Cristo, o Espírito o leva à obediência, a sua vocação, molda-o segundo a imagem de Jesus e o faz andar piedosamente em boas obras (Charles H. Spurgeon. Eleição). Todo e qualquer pecador regenerado é convocado a uma vida constante de enchimento do Espírito, a fim de ter em sua alma o fruto da alegria, e o privilégio de, dominado por ele, ter a cada instante o prazer glorificar ao Senhor por todas as suas obras.
Ao dizer que o crente não deve embriagar-se com vinho, mas encher-se do Espírito, Paulo está exortando-lhes a não buscarem em outras fontes a alegria, a adoração, a gratidão. Somente através desse agir sobrenatural de Deus é que tais coisas são verdadeiramente possíveis à vida dos santos (Russel Shedd. Tão Grande Salvação). O enchimento do Espírito provoca uma convicção tremenda de que é preciso realizar obras justas. Quando isso acontece, o crente percebe que, como disse Spurgeon: “Você tem que realizar boas obras tão zelosamente como se tivesse de ser salvo por meio delas e tem de confiar nos méritos de Cristo como se não tivesse feito nada”.
Certamente chegamos à conclusão que o Espírito tem influência sobre as obras praticadas pelos santos, e isso deve ocorrer integralmente. Quanto mais buscarem ser cheios do Espírito, mais dominados por ele os crentes serão, e mais poderão glorificar o Deus Todo poderoso.
Então, depois dessas colocações surgem alguns questionamentos para as nossas vidas. São algumas perguntas simples, cujas respostas dirão muito sobre nossa relação com o Espírito Santo. 1. Cremos e buscamos ser cheios pelo Espírito? 2. A nossa vida diária reflete essa busca? 3. Essa nossa relação com o Espírito resulta numa relação nova com as outras pessoas? 4. Sentimos prazer em ser bênção?
Queridos, é preciso que o Espírito Santo encha nossas vidas em todo tempo, que sejamos cheios dEle, que reflitamos o caráter de Deus através de obras dignas de eleitos do Senhor.
Que o Espírito transborde em nós!
Um abraço afetuoso.

Um comentário:

Marcos disse...

O encher de Espírito isso vai acontecer quando o ser humano olhar para si próprio ou seja amá-lo para poder ama.
Saber qual é o propósito dele aqui na terra Deus nos deu uma missão a ser cumprida, nos é quem devemos buscar cada dia está resposta, com isso vamos semeando a palavra e lapdando nosso Espírito. Sendo assim, fazendo o bem sem olhar a quem, sem pensar na recompença. Aqui na terra estamos passando por um processo de limpeza da alma em busca da vida eterna, como diz a palavra em João 5.24 " Em verdade, em verdade vos digo quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida".
Desta forma é que o nosso Espirito se fortalece cada vez mais. Não esqueça sua alma, e submeta a sua vida a Jesus Cristo e crâ Nele e você vai ser uma pessoa feliz e satisfeita. Essa vida feliz começa quando você confessa os seus pecados diante de Jesus e entrega a sua vida a Ele. como esta no Salmo 37.3 "ENTREGA TEU CAMINHO AO SENHOR E O RESTO ELE FARÁ".